Blog

Como a depressão muda seu cérebro

Parece que mais pessoas no mundo vivem com depressão do que nunca. De fato, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 350 milhões de pessoas de todas as idades no mundo sofrem desta doença mentalmente debilitante.

Parece que mais pessoas no mundo vivem com depressão do que nunca. De fato, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 350 milhões de pessoas de todas as idades no mundo sofrem desta doença mentalmente debilitante.

A depressão pode literalmente mudar o cérebro, alterando as vias neurais e as sinapses, diminuindo o tamanho do hipocampo, uma área do cérebro que regula as emoções e a memória. Mentalmente, você provavelmente se sentirá enevoado e exausto, pois seu cérebro precisa trabalhar mais para processar informações e sentimentos. Se você não se sentir bem mentalmente, isso pode prejudicar todas as outras áreas da sua vida.

Hoje, vamos explicar exatamente como a depressão altera seu cérebro e como reverter o dano naturalmente. É preciso força de vontade e determinação, mas você pode tirar sua vida de volta com algumas mudanças simples de estilo de vida.

Um estudo inovador envolvendo uma equipe internacional de pesquisadores descobriu que as pessoas com depressão geralmente têm um hipocampo menor. A equipe de pesquisa usou dados de ressonância magnética (MRI) do cérebro em quase 8.930 pessoas de todo o mundo, 1.728 das quais sofriam de depressão maior. Os restantes 7.199 indivíduos não sofreram de depressão.

Eles descobriram que 65% dos pacientes deprimidos tinham um hipocampo menor; no entanto, aqueles que experimentaram o primeiro episódio de depressão não tiveram esse encolhimento. Esses achados sugerem que episódios recorrentes de depressão podem causar o encolhimento do hipocampo. Estudos anteriores encontraram evidências de perda do hipocampo, no entanto, este estudo teve como objetivo descobrir se o encolhimento causou a depressão, ou vice-versa. Eles obtiveram sua resposta: primeiro vem a depressão, depois o dano cerebral.

Estudos anteriores encontraram evidências de perda do hipocampo, no entanto, este estudo teve como objetivo descobrir se o encolhimento causou a depressão, ou vice-versa. Eles obtiveram sua resposta: primeiro vem a depressão, depois o dano cerebral.

De acordo com o co-autor Professor Ian Hickie:

“Quanto mais episódios de depressão uma pessoa teve, maior a redução no tamanho do hipocampo. Portanto, a depressão recorrente ou persistente faz mais mal ao hipocampo quanto mais você o deixa sem tratamento. Isso resolve em grande parte a questão do que vem primeiro: o hipocampo menor ou a depressão? O dano ao cérebro vem de doenças recorrentes…

Outros estudos demonstraram reversibilidade, e o hipocampo é uma das áreas únicas do cérebro que rapidamente gera novas conexões entre as células, e o que se perde aqui são as conexões entre as células, em vez das próprias células. Tratar a depressão de forma eficaz não significa apenas tomar medicamentos. Se você está desempregado, por exemplo, e depois fica sentado em uma sala sem fazer nada, isso pode encolher o hipocampo. Por isso, as intervenções sociais são igualmente importantes.”

Sobre o tema do encolhimento do hipocampo, gostaríamos também de mencionar outras pesquisas inovadoras de cientistas e do Institute of HeartMath, uma organização que estuda a conexão entre o coração e o cérebro. Nossos sentimentos tornam-se codificados no campo eletromagnético do nosso coração, e o coração pode realmente enviar sinais ao cérebro que lhe dizem como reagir. Assim, os pesquisadores descobriram que, quando você experimenta emoções destrutivas, isso pode criar o caos no cérebro.

Agora que você sabe que suas emoções desempenham um grande papel na maneira como seu cérebro reage aos estímulos, pensamos em falar de outro equívoco comum quando se trata de depressão. Assim como a maioria das pessoas não percebe que seus sentimentos desempenham um grande papel em sua saúde mental, muitos deles provavelmente não sabem que a teoria do “desequilíbrio químico” em relação à depressão não se compara à ciência.

De acordo com um artigo de Jonathan Leo, professor associado de Neuroanatomia da Lincoln Memorial University:

“A causa de transtornos mentais, como a depressão, permanece desconhecida. No entanto, a ideia de que os desequilíbrios dos neurotransmissores causam depressão é vigorosamente promovida pelas empresas farmacêuticas e pela profissão psiquiátrica em geral. ”

Além disso, de acordo com a Dra. Joanna Moncrieff, autora e psiquiatra britânica:

“É claro que há eventos cerebrais e reações bioquímicas ocorrendo quando alguém se sente deprimido, como há o tempo todo, mas nenhuma pesquisa jamais estabeleceu que um determinado estado cerebral cause, ou até se correlacione com a depressão. . .. Em todos os casos, os estudos produzem resultados inconsistentes, e nenhum deles mostrou ser específico para a depressão, muito menos causal. . . . O fato de que mais de 50 anos de intensos esforços de pesquisa falharam em identificar a depressão no cérebro pode indicar que simplesmente não temos a tecnologia certa, ou pode sugerir que estamos latindo na árvore errada! ”

Com a maioria das drogas que visam tratar a depressão, eles anunciam que os baixos níveis de serotonina no cérebro realmente causam depressão. No entanto, nenhuma pesquisa no passado chegou a essa conclusão.

É importante que o tratamento combine os mais diversos profissionais. Psicólogos, psiquiatras, cardiologistas, terapeutas ocupacionais, todos aqueles que podem contribuir com o quadro clínico apresentado. Se você estiver se sentindo deprimido, procure um psicólogo. Ele irá te orientar sobre quais procedimentos são os melhores a serem adotadas, a partir de uma avaliação em conjunto com as necessidades apresentadas por você.

Por REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL

Fonte: https://www.psicologiasdobrasil.com.br/como-depressao-muda-seu-cerebro-e-maneiras-de-reverter-isso/

Edf. Itabuna Trade Center- sala 911 e 912, Av. Princesa Isabel, 395, Banco Raso- Itabuna (BA).

CEP: 45.607-291 – Tel.: (73) 3212-7070 / 8882-8060

E-mail: clinicapersonaitabuna@gmail.com

A arte de ser sábio consiste em ignorar com inteligência

Sábio não é aquele que acumula muitos conhecimentos e experiências, e sim aquele que sabe usar de forma eficaz cada coisa aprendida, e além disso é capaz de ignorar tudo aquilo que não é útil, que não lhe permite crescer para avançar como pessoa.

Viver é, no fim das contas, economizar e saber o que é importante. Agora, parece que a maioria de nós não aplica esta simples regra: segundo um estudo realizado pela Universidade de Harvard, as pessoas têm uma capacidade surpreendente de concentrar a sua atenção em coisas que “não estão acontecendo”. Isto é, nos preocupamos com aspectos que não são importantes, minando a nossa própria capacidade de sermos felizes no “aqui e agora”.

A primeira regra da vida nos indica que a pessoa mais sábia é aquela que sabe ser feliz e que é capaz de eliminar da sua existência tudo aquilo que lhe faz mal ou que não é útil.

A arte de saber ignorar não é nada fácil de aplicar em nosso dia a dia. Isso se deve ao fato de que ignorar supõe, muitas vezes, nos afastarmos de certas situações e inclusive de certas pessoas. Portanto, estamos frente a um ato de autêntica valentia, que vem precedido sempre de uma avaliação inteligente.

Ignorar é aprender a priorizar

Ser feliz é a arte da escolha pessoal. Podemos ter sorte em um dado momento, mas na maioria das vezes a felicidade vai depender de nós mesmos e das decisões que tomarmos.

Para isso, é necessário adquirir uma perspectiva não apenas mais positiva das coisas, como também mais realista, onde o autoconhecimento e a autoestima sempre serão fundamentais.

A vida é muito curta para nos alimentarmos de amarguras e de frustrações: descarregue as suas lágrimas, ignore as críticas e rodeie-se daqueles com quem você se importa e que acrescentem algo para você de verdade.

Como aprender a estabelecer prioridades

Para aprender a estabelecer prioridades é preciso dar a cada coisa que nos rodeia o seu autêntico valor. Não o que pode ter de forma objetiva, e sim o que pode acumular em função das nossas necessidades e desejos. Para isso, é preciso seguir estas dimensões.

Se para você é difícil escolher entre o que é importante e o que não é, é porque você tem um conflito interno entre as coisas que você quer e as que você sabe que lhe convêm.

Existe o medo de “ficar mal”, “ferir” ou inclusive de agir de uma forma diferente de como os outros esperam se nos atrevermos a quebrar vínculos.

Quanto maior o nível de estresse e ansiedade, mais difícil será estabelecer prioridades. Portanto, reflita sobre quais situações e quais pessoas têm valor real para você em momentos de calma pessoal, quando você se achar mais equilibrado e relaxado.

Pense naquilo que é importante para você e não para os outros; não tema as críticas alheias ou o que possam pensar em função das decisões que você quer tomar.
Entenda que priorizar não é apenas ignorar o que nos prejudica, é reorganizar a vida para encontrar espaços próprios para ser feliz.
menina-com-coruja

Ignorar certas pessoas também é saudável

Segundo um trabalho interessante publicado na revista Live Science, os relacionamentos pessoais que causam estresse ou sofrimento afetam a nossa saúde mental. Experimentamos um aumento do cortisol no sangue e na pressão arterial, a ponto de aumentar o risco de sofrermos problemas cardíacos severos. Não vale a pena.

Aprender a ignorar quem não nos acrescenta nada

Não se trata de brigar, nem de usar ultimatos ou chantagens. Saber ignorar é uma arte que pode ser realizada com elegância e sem chegar a extremos desnecessários. Para isso, tenha em mente estes aspectos para refletir.

Não se preocupe com o que você não pode mudar: aceite que esse familiar continuará tendo essa atitude fechada, que o seu colega de trabalho vai continuar sendo intrometido. Deixe de acumular emoções negativas como raiva ou a frustração e limite-se a aceitá-los do jeito que são.

Ignore críticas alheias enquanto você aumenta a sua própria confiança. É muito provável que, na hora em que você decidir tomar distância de quem não interessa, apareça a rejeição. Entenda que as críticas não definem você, elas não são você. Fortaleça a sua autoestima e saboreie cada passo que você dá em liberdade, longe de quem o prejudica. É um triunfo pessoal.

Quando a ajuda é uma atitude interessada: é importante aprender a discriminar essas atitudes de supostos altruísmos. Há quem repita sem parar essa expressão de “eu faço tudo por você, para mim você é o mais importante”, quando na verdade a balança desse relacionamento sempre pende para um lado que não é o seu. Nunca existe o equilíbrio.

Quanto mais leve, melhor. Na vida, vale a pena contar com “pessoas” e não acumular “gente”, portanto, priorize e avance leve: leve de aborrecimentos, raiva, frustrações e principalmente de pessoas que, longe de valer a alegria, só valem penas e distâncias.

A arte de ser sábio é compreender quais vínculos é melhor deixar de alimentar sem ter nenhum peso na consciência por ter dito “não” a quem jamais se preocupou em dizer “sim”.

Por Revista Pazes

Fonte: https://www.revistapazes.com/arte-sabio-ignorar-inteligencia/

Edf. Itabuna Trade Center- sala 911 e 912, Av. Princesa Isabel, 395, Banco Raso- Itabuna (BA).

CEP: 45.607-291 – Tel.: (73) 3212-7070 / 8882-8060

E-mail: clinica_persona@yahoo.com.br

Zygmunt Bauman: Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar

Estamos cada vez mais aparelhados com iPhones, tablets, notebooks, etc. Tudo para disfarçar o antigo medo da solidão. O contato via rede social tomou o lugar de boa parte das pessoas, cuja marca principal é a ausência de comprometimento. Este texto tem como base a ideia do “ser líquido”, característica presente nas relações humanas atuais. Inspirado na obra “Amor Líquido” – sobre a fragilidade dos laços humanos, de Zigmunt Bauman. As relações se misturam e se condensam com laços momentâneos, frágeis e volúveis. Num mundo cada vez mais dinâmico, fluído e veloz. Seja real ou virtual.

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman é um dos intelectuais mais respeitados da atualidade. Aos 87 anos, seus livros venderam mais de 200 mil cópias. Um resultado e tanto para um teórico. Entre eles, “Amor liquido” é talvez o livro mais popular de Bauman no Brasil. É neste livro que o autor expõe sua análise de maneira mais simples e próxima do cotidiano, analisando as relações amorosas e algumas particularidades da “modernidade líquida”. Vivemos tempos líquidos, nada é feito para durar, tampouco sólido. Os relacionamentos escorrem das nossas mãos por entre os dedos feito água.

Bauman tenta mostrar nossa dificuldade de comunicação afetiva, já que todos querem relacionar-se. Entretanto, não conseguem, seja por medo ou insegurança. O autor ainda cita como exemplo um vaso de cristal, o qual à primeira queda quebra. As relações terminam tão rápido quanto começam, as pessoas pensam terminar com um problema cortando seus vínculos, mas o que fazem mesmo é criar problemas em cima de problemas.

É um mundo de incertezas, cada um por si. Temos relacionamentos instáveis, pois as relações humanas estão cada vez mais flexíveis. Acostumados com o mundo virtual e com a facilidade de “desconectar-se”, as pessoas não conseguem manter um relacionamento de longo prazo. É um amor criado pela sociedade atual (modernidade líquida) para tirar-lhes a responsabilidade de relacionamentos sérios e duradouros. Pessoas estão sendo tratadas como bens de consumo, ou seja, caso haja defeito descarta-se – ou até mesmo troca-se por “versões mais atualizadas”.

O romantismo do amor parece estar fora de moda, o amor verdadeiro foi banalizado, diminuído a vários tipos de experiências vividas pelas pessoas as quais se referem a estas utilizando a palavra amor. Noites descompromissadas de sexo são chamadas “fazer amor”.Não existem mais responsabilidades de se amar, a palavra amor é usada mesmo quando as pessoas não sabem direito o seu real significado.

Ainda para tentar explicar a relações amorosas em “Amor Líquido”, Bauman fala sobre “Afinidade e Parentesco.” O parentesco seria o laço irredutível e inquebrável. É aquilo que não nos dá escolha. A afinidade é ao contrário do parentesco. Voluntária, esta é escolhida. Porém, e isso é importante, o objetivo da afinidade é ser como o parentesco. Entretanto, vivendo numa sociedade de total “descartabilidade”, até as afinidades estão se tornando raras.

Bauman fala também sobre o amor próprio: o filósofo afirma que as pessoas precisam sentir que são amadas, ouvidas e amparadas. Ou precisam saber que fazem falta. Segundo ele, ser digno de amor é algo que só o outro pode nos classificar. O que fazemos é aceitar essa classificação. Mas, com tantas incertezas, relações sem forma – líquidas – nas quais o amor nos é negado, como teremos amor próprio? Os amores e as relações humanas de hoje são todos instáveis, e assim não temos certeza do que esperar. Relacionar-se é caminhar na neblina sem a certeza de nada – uma descrição poética da situação.

“Para ser feliz há dois valores essenciais que são absolutamente indispensáveis […] um é segurança e o outro é liberdade. Você não consegue ser feliz e ter uma vida digna na ausência de um deles. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é um completo caos. Você precisa dos dois. […] Cada vez que você tem mais segurança, você entrega um pouco da sua liberdade. Cada vez que você tem mais liberdade, você entrega parte da segurança. Então, você ganha algo e você perde algo”, afirma o filósofo.

Fonte:http://lounge.obviousmag.org/de_dentro_da_cartola/2013/11/zygmunt-bauman-vivemos-tempos-liquidos-nada-e-para-durar.html

Edif. Itabuna Trade Center- sala 911 e 912, Av. Princesa Isabel, 395, Banco Raso- Itabuna (BA).

CEP: 45.607-291 – Tel.: (73) 3212-7070 / 8882-8060

E-mail: clinica_persona@yahoo.com.br

Criar um adolescente é muito mais difícil do que criar um bebê

É engraçado como os pais de crianças de dois anos contam ansiosamente os anos restantes até que seus filhos se tornem adolescentes. A maioria dos novos pais não sabe o que os espera quando seus filhos atingem o estágio de transbordamento hormonal.

É fácil antecipar não mais choro e birras. Eles finalmente poderão fazer quase tudo por si mesmos. Isso pode ser verdade, mas quando seu filho se tornar adolescente, você se encontrará em um mundo totalmente novo de loucos, onde NÃO EXISTEM REGRAS.

Observar seus filhos crescerem é assustador e emocionante. Os adolescentes são “quase adultos” que querem ser tratados como adultos. Eles querem ser responsáveis por si mesmos. Não se surpreenda se seu filho de 13 anos lhe pedir para deixá-lo a uma quadra da escola para que ele possa andar o resto do caminho. Não é legal se seus amigos veem sua mãe levando-o de um lado para o outro. Homens de verdade são responsáveis por si mesmos. Em algum momento, sua filha adolescente se recusará a levar uma lancheira para a escola. Garotas grandes compram sua própria comida.

A puberdade é mais do que apenas mudanças físicas

A puberdade é uma fase complicada da vida de uma pessoa. Elas começam a lidar com muitas mudanças físicas e características sexuais que podem ser embaraçosas de se falar. A puberdade também cobra pedágio emocional e psicológico em muitos adolescentes. Eles se tornam extra-sensíveis, conscientes das mudanças físicas e facilmente irritáveis. Eles não sabem ao certo como vão se sair e começam a alimentar pensamentos conflitantes sobre independência. Geralmente se sentem divididos entre buscar a orientação de seus pais ou se virar sozinhos. Não é incomum encontrar adolescentes lidando com intensas mudanças de humor, depressão e ansiedade.

Nesta fase, seus filhos começam a procurar uma nova identidade para si. Todos os seus amigos provavelmente estão mudando também, então todos são forçados a evoluir e se adaptar novamente. Essa pode ser uma fase difícil, porque seu filho se esforçará para descobrir o que os torna únicos como pessoa.

Eles começam a discutir mais, o que é uma espécie de atualização das antigas birras. Eles tentam levantar mais suas vozes e argumentam para sair de situações comprometedoras. Você terá que cortar isso pela raiz antes que fique fora de controle, dando um exemplo para eles. Enquanto os aconselha a não responder, dê a eles a chance de compartilhar suas opiniões também.

Conversa sobre sexo é desconfortável para todos

Sua garota começará a pedir permissão para ir ao shopping ou à piscina com as amigas – e você não tem permissão para ir junto. Esse é o ponto. Liberdade sem pais à vista. Os adolescentes estarão inclinados a experimentar um mundo de coisas novas – novos hobbies, esportes perigosos, direção, fumo, vaping, drogas, álcool e sexo.

Atrações e desejos sexuais são inevitáveis, e eles querem saber o que está certo e o que não está. É aqui que fica assustador para a maioria dos pais. Começa com o beijo. Os meninos geralmente são mais diretos, mas as meninas têm mais chances de contar a alguém sobre isso primeiro. Os adolescentes são experimentais e seus hormônios explosivos não ajudam muito nas coisas.

O melhor passo a seguir neste momento é se antecipar à questão e ser o pai que já foi adolescente. Mais cedo ou mais tarde, eles descobrirão tudo o que precisam saber, e alguns deles poderão descobrir da maneira mais difícil.

Ao discutir esse assunto delicado com seu filho, tente não se envergonhar ou ser muito sério. Isso tornará a discussão mais embaraçosa. Basta ser o pai neutro que responde às perguntas de maneira simples e com fatos claros.

Diga a verdade sobre tudo e não tire conclusões precipitadas. Adolescentes perguntando sobre sexo não significa que eles já estão fazendo. Diga a eles que, embora o sexo seja agradável, é de seu interesse esperar até que se tornem maduros o suficiente para lidar com relacionamentos emocionalmente íntimos. A adolescência não é o momento certo para se tornar sexualmente ativa. Há muito mais acontecendo em suas vidas e esses relacionamentos complicados apenas tornarão as coisas mais difíceis para eles. É melhor esperar até que se tornem adultos e sejam totalmente responsáveis por si mesmos.

Ensine-os sobre sexo seguro, consentimento mútuo e contracepção. Estes são discutidos melhor depois de mencionar outros fatores que contribuem para uma vida sexual saudável, que incluem idade, maturidade emocional e desenvolvimento psicológico.

Seja um influenciador, não um controlador

Tente não apenas falar com seu filho, mas conversar com ele. Muitas vezes, você fica tentado a sentar e gritar, mas precisa respeitar o fato de que eles não são mais crianças (isso representa 70% do que eles querem). Comunique-se livremente com eles. Seja aberto com seus filhos adolescentes e dê a eles a chance de expressar suas opiniões. Isso não significa que eles sejam rudes com você.

Converse com eles sobre as mudanças pelas quais estão passando. Eles provavelmente ficarão embaraçados, então você deve fazê-los sentir-se à vontade. Diga a eles que é uma fase à qual eles se acostumarão em breve. Não seja um ditador de regras. Prove ao seu filho adolescente que confia nele para tomar as decisões certas, dando-lhe uma medida de liberdade.

Você ficará tentado a segui-los em qualquer lugar ou a colocar um rastreador nas mochilas. Você quer saber o que eles estão fazendo o tempo todo. Isso é normal, porque você é o pai deles e a segurança deles é de sua responsabilidade, mas você precisa relaxar um pouco nessa fase.

Por Pensar Contemporâneo

 

Fonte : https://www.pensarcontemporaneo.com/criar-um-adolescente-e-muito-mais-dificil-do-que-criar-um-bebe/

 

Edf. Itabuna Trade Center- sala 911 e 912, Av. Princesa Isabel, 395, Banco Raso- Itabuna (BA).

CEP: 45.607-291 – Tel.: (73) 3212-7070 / 8882-8060

E-mail: clinica_persona@yahoo.com.br

 

Idosos órfãos de filhos vivos são os novos desvalidos do século XXI

Atenção e carinho estão para a alegria da alma, como o ar que respiramos está para a saúde do corpo. Nestas últimas décadas surgiu uma geração de pais sem filhos presentes, por força de uma cultura de independência e autonomia levada ao extremo, que impacta negativamente no modo de vida de toda a família. Muitos filhos adultos ficam irritados por precisarem acompanhar os pais idosos ao médico, aos laboratórios. Irritam-se pelo seu andar mais lento e suas dificuldades de se organizar no tempo, sua incapacidade crescente de serem ágeis nos gestos e decisões

A ordem era essa: em busca de melhores oportunidades, vinham para as cidades os filhos mais crescidos e não necessariamente os mais fortes, que logo traziam seus irmãos, que logo traziam seus pais e moravam todos sob um mesmo teto, até que a vida e o trabalho duro e honesto lhes propiciassem melhores condições. Este senhor, com olhos sonhadores, rememorava com saudade os tempos em que cavavam buracos nas terras e ali dormiam, cheios de sonho que lhes fortalecia os músculos cansados. Não importava dormir ao relento. Cediam ao cansaço sob a luz das estrelas e das esperanças.

A evasão dos mais jovens em busca de recursos de sobrevivência e de desenvolvimento, sempre ocorreu. Trabalho, estudos, fugas das guerras e perseguições, a seca e a fome brutal, desde que o mundo é mundo pressionou os jovens a abandonarem o lar paterno. Também os jovens fugiram da violência e brutalidade de seus pais ignorantes e de mau gênio. Nada disso, porém, era vivido como abandono: era rompimento nos casos mais drásticos. Era separação vivida como intervalo, breve ou tornado definitivo, caso a vida não lhes concedesse condição futura de reencontro, de reunião.

Separação e responsabilidade

Assim como os pais deixavam e, ainda deixam seus filhos em mãos de outros familiares, ao partirem em busca de melhores condições de vida, de trabalho e estudos, houve filhos que se separaram de seus pais. Em geral, porém, isso não é percebido como abandono emocional. Não há descaso nem esquecimento. Os filhos que partem e partiam, também assumiam responsabilidades pesadas de ampará-los e aos irmãos mais jovens. Gratidão e retorno, em forma de cuidados ainda que à distância. Mesmo quando um filho não está presente na vida de seus pais, sua voz ao telefone, agora enviada pelas modernas tecnologias e, com ela as imagens nas telinhas, carrega a melodia do afeto, da saudade e da genuína preocupação. E os mais velhos nutrem seus corações e curam as feridas de suas almas, por que se sentem amados e podem abençoá-los. Nos tempos de hoje, porém, dentro de um espectro social muito amplo e profundo, os abandonos e as distâncias não ocupam mais do que algumas quadras ou quilômetros que podem ser vencidos em poucas horas. Nasceu uma geração de ‘pais órfãos de filhos’. Pais órfãos que não se negam a prestar ajuda financeira. Pais mais velhos que sustentam os netos nas escolas e pagam viagens de estudo fora do país. Pais que cedem seus créditos consignados para filhos contraírem dívidas em seus honrados nomes, que lhes antecipam herança. Mas que não têm assento à vida familiar dos mais jovens, seus próprios filhos e netos, em razão – talvez, não diretamente de seu desinteresse, nem de sua falta de tempo – mas da crença de que seus pais se bastam.

Este estilo de vida, nos dias comuns, que não inclui conversa amena e exclui a ‘presença a troco de nada, só para ficar junto’, dificulta ou, mesmo, impede o compartilhar de valores e interesses por parte dos membros de uma família na atualidade, resulta de uma cultura baseada na afirmação das individualidades e na política familiar focada nos mais jovens, nos que tomam decisões ego-centradas e na alta velocidade: tudo muito veloz, tudo fugaz, tudo incerto e instável. Vida líquida, como diz Zygmunt Bauman, sociólogo polonês. Instalou-se e aprofundou-se nos pais, nem tão velhos assim, o sentimento de abandono. E de desespero. O universo de relacionamento nas sociedades líquidas assegura a insegurança permanente e monta uma armadilha em que redes sociais são suficientes para gerar controle e sentimento de pertença. Não passam, porém de ilusões que mascaram as distâncias interpessoais que se acentuam e que esvaziam de afeto, mesmo aquelas que são primordiais: entre pais e filhos e entre irmãos. O desespero calado dos pais desvalidos, órfãos de quem lhes asseguraria conforto emocional e, quiçá material, não faz parte de uma genuína renúncia da parte destes pais, que ‘não querem incomodar ninguém’, uma falsa racionalidade – e é para isso que se prestam as racionalizações – que abala a saúde, a segurança pessoal, o senso de pertença. É do medo de perder o pouco que seus filhos lhes concedem em termos de atenção e presença afetuosa. O primado da ‘falta de tempo’ torna muito difícil viver um dia a dia em que a pessoa está sujeita ao pânico de não ter com quem contar.

A irritação por precisar mudar alguns hábitos. Muitos filhos adultos ficam irritados por precisarem acompanhar os pais idosos ao médico, aos laboratórios. Irritam-se pelo seu andar mais lento e suas dificuldades de se organizar no tempo, sua incapacidade crescente de serem ágeis nos gestos e decisões. Desde os poucos minutos dos sinais luminosos para se atravessar uma rua, até as grandes filas nos supermercados, a dificuldade de caminhar por calçadas quebradas e a hesitação ao digitar uma senha de computador, qualquer coisa que tire o adulto de seu tempo de trabalho e do seu lazer, ao acompanhar os pais, é causa de irritação. Inclusive por que o próprio lazer, igualmente, é executado com horário marcado e em espaço determinado. Nas salas de espera veem-se os idosos calados e seus filhos entretidos nos seus jornais, revistas, tablets e celulares. Vive-se uma vida velocíssima, em que quase todo o tempo do simples existir deve ser vertido para tempo útil, entendendo-se tempo útil como aquele que também é investido nas redes sociais. Enquanto isso, para os mais velhos o relógio gira mais lento, à medida que percebem, eles próprios, irem passando pelo tempo. O tempo para estar parado, o tempo da fruição está limitado. Os adultos correm para diminuir suas ansiosas marchas em aulas de meditação. Os mais velhos têm tempo sobrante para escutar os outros, ou para lerem seus livros, a Bíblia, tudo aquilo que possa requerer reflexão. Ou somente uma leve distração. Os idosos leem o de que gostam. Adultos devoram artigos, revistas e informações sobre o seu trabalho, em suas hiper especializações. Têm que estar a par de tudo just in time – o que não significa exatamente saber, posto que existe grande diferença entre saber e tomar conhecimento. Já, os mais velhos querem mais é se livrar do excesso de conhecimento e manter suas mentes mais abertas e em repouso. Ou, então, focadas naquilo que realmente lhes faz bem como pessoa. Restam poucos interesses em comum a compartilhar. Idosos precisam de tempo para fazer nada e, simplesmente recordar. Idosos apreciam prosear. Adultos têm necessidade de dizer e de contar. A prosa poética e contemplativa ausentou-se do seu dia a dia. Ela não é útil, não produz resultados palpáveis.

A dificuldade de reconhecer a falta que o outro faz.

Do prisma dos relacionamentos afetivos e dos compromissos existenciais, todas as gerações têm medo de confessar o quanto o outro faz falta em suas vidas, como se isso fraqueza fosse. Montou-se, coletivamente, uma enorme e terrível armadilha existencial, como se ninguém mais precisasse de ninguém. A família nuclear é muito ameaçadora. para o conforto, segurança e bem-estar: um número grande de filhos não mais é bemvindo, pais longevos não são bem tolerados e tudo isso custa muito caro, financeira, material e psicologicamente falando. Sobrevieram a solidão e o medo permanente que impregnam a cultura utilitarista, que transformou as relações humanas em transações comerciais. As pessoas se enxergam como recursos ou clientes. Pais em desespero tentam comprar o amor dos filhos e temem os ataques e abandono de clientes descontentes. Mas, carinho de filho não se compra, assim como ausência de pai e mãe não se compensa com presentes, dinheiro e silêncio sobre as dores profundas as gerações em conflito se infringem. Por vezes a estratégia de condutas desviantes dão certo, para os adolescentes conseguirem trazer seus pais para mais perto, enquanto os mais idosos caem doentes, necessitando – objetivamente – de cuidados especiais. Tudo isso, porém, tem um altíssimo custo. Diálogo? Só existe o verdadeiro diálogo entre aqueles que não comungam das mesmas crenças e valores, que são efetivamente diferentes. Conversar, trocar ideias não é dialogar. Dialogar é abrir-se para o outro. É experiência delicada e profunda de auto revelação. Dialogar requer tempo, ambiente e clima, para que se realizem escutas autênticas e para que sejam afastadas as mútuas projeções. O que sabem, pais e filhos, sobre as noites insones de uns e de outros? O que conversam eles sobre os receios, inseguranças e solidão? E sobre os novos amores? Cada geração se encerra dentro de si própria e age como se tudo estivesse certo e correto, quando isso não é verdade.

A dificuldade de reconhecer limites característicos do envelhecimento dos pais. Este é o modelo que se pode identificar. Muito mais grave seria não ter modelo. A questão é que as dores são tão mascaradas, profundas e bem alimentadas pelas novas tecnologias, inclusive, que todas as gerações estão envolvidas pelo desejo exacerbado de viver fortes emoções e correr riscos desnecessários, quase que diariamente. Drogas e violência toldam a visão de consequências e sequestram as responsabilidades. Na infância e adolescência os pais devem ser responsáveis pelos seus filhos. Depois, os adultos, cada qual deve ser responsável por si próprio. Mais além, os filhos devem ser responsáveis por seus pais de mais idade. E quando não se é mais nem tão jovem e, ainda não tão idoso que se necessite de cuidados permanentes por parte dos filhos? Temos aí a geração de pais desvalidos: pais órfãos de seus filhos vivos. E estes respondem, de maneira geral, ou com negligência ou, com superproteção. Qualquer das formas caracteriza maus cuidados e violência emocional.

Na vida dos mais velhos alguns dos limites físicos e mentais vão se instalando e vão mudando com a idade. Dos pais e dos filhos. Desobrigados que foram de serem solidários aos seus pais, os filhos adultos como que se habituaram a não prestarem atenção às necessidades de seus pais, conforme envelhecem. Mantêm expectativas irrealistas e não têm pálida ideia do que é ter lutado toda uma vida para se auto afirmar, para depois passar a viver com dependências relativas e dar de frente com a grande dor da exclusão social. A começar pela perda dos postos de trabalho e, a continuar, pela enxurrada de preconceitos que se abatem sobre os idosos, nas sociedades profundamente preconceituosas e fóbicas em relação à morte e à velhice. Somente que, em vez de se flexibilizarem, uns e outros, os filhos tentam modificar seus pais, ensinando-lhes como envelhecer. Chega a ser patético. Então, eles impõem suas verdades pós-modernas e os idosos fingem acatar seus conselhos, que não foram pedidos e nem lhes cabem de fato.

De onde vem a prepotência de filhos adultos e netos adolescentes que se arrogam saber como seus pais e avós devem ser, fazer, sentir e pensar ao envelhecer? É risível o esforço das gerações mais jovens, querendo educa-los, quando o envelhecimento é uma obra social e, mais, profundamente coletiva, da qual os adultos de hoje – que justa, porém indevidamente – cultivam os valores da juventude permanente e, da velhice não fazem a mais pálida ideia. Além do que, também não têm a menor noção de como haverão eles próprios de envelhecer, uma vez que está em curso uma profunda mudança nas formas, estilos e no tempo de se viver até envelhecer naturalmente e, morrer a Boa Morte. Penso ser uma verdadeira utopia propor, neste momento crítico, mudanças definidas na interação entre pais e filhos e entre irmãos. Mudanças definidas e, de nenhuma forma definitivas, porém, um tanto mais humanas, sensíveis e confortáveis. O compartilhar é imperativo. O dialogar poderá interpor-se entre os conflitos geracionais, quem sabe atenuando-os e reafirmando a necessidade de resgatar a simplicidade dos afetos garantidos e das presenças necessárias para a segurança de todos.

Quando a solidão e o desamparo, o abandono emocional, forem reconhecidos como altamente nocivos, pela experiência e pelas autoridades médicas, em redes públicas de saúde e de comunicação, quem sabe ouviremos mais pessoas que pensam desta mesma forma, porém se auto impuseram a lei do silêncio. Por vergonha de se declararem abandonados justamente por aqueles a quem mais se dedicaram até então. É necessário aprender a enfrentar o que constitui perigo, alto risco para a saúde moral e emocional para cada faixa etária. Temos previsão de que, chegados ao ano de 2.035, no Brasil haverá mais pessoas com 55 anos ou mais de idade, do que crianças de até dez anos, em toda a população. E, com certeza, no seio das famílias. Estudos de grande envergadura em relação ao envelhecimento populacional afirmam que a população de 80 anos e mais é a que vai quadruplicar de hoje até o ano de 2.050. O diálogo, portanto, intra e intergeracional deve ensaiar seus passos desde agora. O aumento expressivo de idosos acima dos 80 anos nas políticas públicas ainda não está, nem de longe, sendo contemplado pelas autoridades competentes. As medidas a serem tomadas serão muito duras. Ninguém de nós vai ficar de fora. Como não deve permanecer fora da discussão sobre o envelhecimento populacional mundial e as estratégias para enfrentá-lo.

Por Ana Fraiman

 

Fonte :https://www.revistapazes.com/5440-2/

 

Edf. Itabuna Trade Center- sala 911 e 912, Av. Princesa Isabel, 395, Banco Raso- Itabuna (BA).

CEP: 45.607-291 – Tel.: (73) 3212-7070 / 8882-8060

E-mail: clinica_persona@yahoo.com.br